My Twitter Feed

December 16, 2017

Greve dos Psicólogos da Saúde do Município do Rio de Janeiro

Em consonância com o Movimento ‘Nenhum Serviço de Saúde a Menos’, psicólogas e psicólogos que trabalham na atenção básica e nos dispositivos de saúde mental, deliberam greve com data de início a partir do dia 07 de novembro de 2017. Abaixo está o conteúdo da Carta de Reivindicações da categoria.

CARTA DE REIVINDICAÇÕES DA GREVE DOS PSICÓLOGOS TRABALHADORES
DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

Os psicólogos trabalhadores dos serviços de saúde do Município do Rio de Janeiro deliberaram
em assembleia geral realizada em 31 de Outubro de 2017 as seguintes reivindicações:
1) Recomposição imediata do orçamento municipal da saúde de 2017, para reabastecer a
rede de unidades e normalizar o funcionamento dos serviços;
2) Revisão da proposta enviada pelo prefeito Marcelo Crivella a câmara de vereadores,
garantindo recursos para a saúde equivalente ao orçamento de 2017 com adição de 250
milhões de reais, conforme o programa de governo do prefeito;
3) Revisão das demissões de todas as categorias profissionais que atuam na Atenção Básica
e Saúde Mental desde o início da atual gestão, com a garantia dos postos de trabalho.
Fim das demissões e do assédio moral;
4) Regularização dos insumos, medicações e contratos de manutenção e alimentação das
unidades básicas de saúde, CAPS, residências terapêuticas, unidades de acolhimento e
institutos municipais de assistência à saúde;
5) Garantia de pagamento em dia dos salários, férias e 13º de todos os profissionais;
6) NÃO às comunidades terapêuticas: contra todo e qualquer tipo de financiamento público
dessas instituições;
7) Fechamento de leitos psiquiátricos com a necessária ampliação da rede substitutiva;
8) Renovação imediata do convênio dos CAPSad e Unidades de Acolhimento com garantia
orçamentária;
9) Garantia do pagamento regular de direitos dos usuários de Residências Terapêuticas,
como a “bolsa Rio”, RioCard e vale-alimentação;
10)Garantia de dimensionamento adequado dos recursos humanos dos serviços que
compõem a Rede de Atenção Psicossocial, com credenciamento das equipes;
11)Garantia do dimensionamento das equipes NASF, contemplando 200h semanais por
equipe, apoiando no máximo 09 equipes de saúde da família. Reafirmação do apoio
matricial como metodologia de trabalho;
12)Garantia dos benefícios de vale-transporte, auxílo creche e auxílio educação para
servidores municipais;
13)Inclusão dos trabalhadores terceirizados do SUS na mesa de negociação permanente do
Município do Rio de Janeiro.


Deixe um comentário